PAPO TRICOLOR - COM VICA ~ Bora Leão
Please enable / Bitte aktiviere JavaScript!
Veuillez activer / Por favor activa el Javascript![ ? ]

sábado, 28 de julho de 2012

PAPO TRICOLOR - COM VICA

Postado por Victor Pinto às 18:40:00 sábado, 28 de julho de 2012

Meus amigos tricolores, 
Vocês já estão com o ingresso na mão para o jogo de amanhã? Quero ver todos vocês no estádio!
Para a matéria de hoje, eu tive a honra de entrevistar o treinador que está com 100% de aproveitamento no comando do Fortaleza. O treinador VICA!

Clique no botão "LEIA MAIS" e confira a entrevista completa com este Grande Professor!     ---->



1.       Vica faça um breve comentário sobre a sua vida futebolística .
 
Bom, minha carreira começou no Ferroviária de Araraquara, onde comecei com 18 anos. Já sendo o capitão de uma equipe profissional. Disputei ali uns cinco anos de campeonato paulista. Transferi-me para o Fluminense no começo do ano de 84 e lá fiquei por cinco anos. Tive a felicidade, de junto com nosso grupo de jogadores, ser campeão brasileiro, tricampeão carioca e disputar uma libertadores. Na metade de 89 fui para o Curitiba. Então sou um dos poucos jogadores na história do Paraná que jogou nos três grandes clubes da capital. Fui campeão pelo Curitiba, campeão brasileiro da série B pelo Paraná e duas vezes vice-campeão regional pelo Atlético/PR. Aos 34 anos encerrei minha carreira. Em 98 dei início a minha carreira como treinador do Anapolina, passei pelo São Caetano, Goiás, Atlético Goianiense, Internacional de Limeira, Londrina. No Asa de Arapiraca fiz um trabalho que deu uma grande visibilidade a nível nacional e no Goiás tive a oportunidade de trabalhar com grandes jogadores como Fernandão, Gil, Araújo, Josué, Danilo, Iarley. Que são jogadores que se transformaram em grandes atletas e que fizeram seus nomes no futebol.

2.       Você é o tipo de treinador que ouve os pedidos da torcida? Ou tem suas convicções com relação a jogadores?

Primeiro eu tenho que ter minhas convicções, mas a gente entende também o lado do torcedor, que às vezes está assistindo o jogo e grita o nome de um jogador que já estava no meu pensamento, então muitas vezes por coincidência eu acabo mexendo. O torcedor conhece o nosso dia a dia, ele vem assistir aos treinos, vê quem está bem ou não. Mas as vezes o torcedor pensa uma coisa e eu penso outra, então eu tenho que ir pelas minhas convicções.

3.       Está preparado para encarar a pressão do torcedor por esse acesso e qual a melhor forma para conseguir esse objetivo para o Fortaleza? 

Primeiro que nós temos que ir com calma, pois o campeonato é longo. Como eu já estava dizendo para alguns membros da imprensa, que não adianta a gente jogar hoje, o nosso 100% e chegar à final do segundo turno e o time cair o rendimento. Muito pelo contrário, nós temos que ir subindo, gradativamente, o condicionamento físico e ir melhorando a cada jogo. Quero que o time esteja no seu auge na metade do segundo turno em diante para gente buscar o nosso acesso. Por enquanto nós temos que ir conseguindo os resultados para ficarmos ali sempre entre os quatro primeiros.



4.       Por que você aceitou a proposta do Fortaleza, sabendo de toda a pressão da torcida?

Justamente pela grande torcida. Pressão vai existir em todo lugar. Guardadas as devidas proporções, no Flamengo tem pressão porque tem uma grande torcida, no Fortaleza tem pressão porque também tem uma grande torcida, QUE É A MAIOR TORCIDA DA CAPITAL. Meu nome foi muito especulado aqui ano passado, quando eu recebi esse convite aceitei de primeira, nós nem conversamos. Eu nem fiz proposta ao Fortaleza, para não ter aquela novela. A proposta que o presidente me fez eu aceitei de pronto, pois é um grande clube, Fortaleza é uma grande cidade e tem condições de subir. É melhor eu estar no Fortaleza na terceira divisão pensando em subir como um time grande do que estar na segunda divisão brigando para não cair, são coisas bem diferentes.
 
5.       Para um técnico, que hora é amado e na outra é odiado, qual a importância de um estádio lotado?

Isso aí faz parte da nossa vida. Você vai ser amado pelo torcedor conseguindo os resultados, vitórias. Em uma partida você pode sair do inferno pro céu, no bom sentido, se você está perdendo, você é taxado de burro, de repente o time ganha e você passa a ser o melhor do mundo. Então a gente tem que saber conviver com isso, saber que o futebol é um esporte que pela nossa cultura busca muito o resultado. A cobrança e a pressão fazem parte da nossa vida, nós temos que saber administrar isso. Agora vamos fazer de tudo para continuar sendo amado, através das vitórias. 
 
6.       Qual a mensagem que você deixa para o torcedor do Leão?

Estou sentindo o calor da torcida desde que cheguei. Tive uma surpresa positiva! Eu imaginava outra coisa na minha recepção. Eu pensava que a torcida iria estar muito mais arredia, mas não, o torcedor foi ao estádio no treino e disse “Nós vamos incentivar, mas nós também vamos cobrar!”. A maioria dos torcedores pediu “Nós queremos pouca coisa, queremos GARRA DO TIME, RAÇA DO TIME” foi legal essa participação do torcedor. Então fica até meio chato pedir o apoio do torcedor, pois nem precisa porque a gente está vendo a resposta do nosso torcedor. Teve no jogo do Paysandu, pois tiveram torcedores que se reuniram para escutar no rádio! Com isso conseguimos ver a paixão do torcedor pelo clube. Tenho certeza que o torcedor vai continuar incentivando, comparecendo ao estádio. Nós temos é que responder dentro de campo esse carinho todo e buscar a vitória com aquilo que o torcedor pediu quando eu cheguei aqui com MUITA RAÇA E DETERMINAÇÃO! Com o torcedor jogando junto da gente é muito mais fácil da gente conseguir esse acesso à série B. O TORCEDOR FAZ A DIFERENÇA!