Os 40 anos do Homem-Raio ~ Bora Leão
Please enable / Bitte aktiviere JavaScript!
Veuillez activer / Por favor activa el Javascript![ ? ]

segunda-feira, 24 de agosto de 2015

Os 40 anos do Homem-Raio

Postado por Luca Laprovitera às 13:59:00 segunda-feira, 24 de agosto de 2015

Nesse 24 de Agosto, Rinaldo, nosso Homem-Raio completa 40 anos. Foram quase seis anos vestindo o manto tricolor, entre idas e vindas. Três títulos cearenses, duas artilharias do certame alencarino, 108 gols, se tornando o terceiro maior artilheiro da história do clube, atrás apenas de Clodoaldo (126) e Croinha (138), maior artilheiro em uma só partida de Clássico Rei ao lado de Clayton Maranhense (4 gols), maior artilheiro do Fortaleza em Campeonatos Brasileiros (43 gols) e maior artilheiro do Leão na Série A (27 gols). Números marcantes e importantes, Rinaldo é sem sombra de dúvidas um dos nomes mais importantes da década passada no tricolor e hoje falaremos um pouco desse grande artilheiro tricolor.

Rinaldo foi revelado em 1996 pelo América Mineiro, mas só conquistou a titularidade no ano seguinte. O Homem-Raio logo caiu nas graças da torcida, fazendo um forte trio de ataque com Tupãzinho, o talismã do Corinthians no início dos anos 90 e Celso, bom atacante do clube nos anos 90, carinhosamente apelidado de "Celso Gol" por sempre marcar em clássicos. O clube ainda contava com nomes conhecidos, como o lateral-esquerdo Marcos Paulo que passou pelo Leão em 2003. os volantes Boiadeiro e Pintado que até passagem pela Seleção tinham, o meio-campo Irênio e no banco tinham outras jovens promessas como o lateral-direito Evanilson que anos depois jogaria na Seleção Brasileira de Wanderlei Luxemburgo e Gilberto Silva, pentacampeão do mundo pelo Brasil. O time treinado pelo Givanildo de Oliveira foi campeão da Série B naquele ano, mas foi na Copa Centenário daquele ano que Rinaldo chamou atenção. Um torneio amistoso que celebrava os 100 anos de fundação de Belo Horizonte e foi vencida pelo Atlético-MG. O torneio contava ainda com Cruzeiro, o próprio América-MG, Corinthians e Flamengo, Olímpia do Paraguai, Benfica de Portugal e Milan da Itália também participavam. Rinaldo marcou contra o Corinthians e deu show contra o Milan, deixando os torcedores que foram ver Costacurta, Albertini, Boban, Weah e Kluivert impressionados com até ali, o jovem atacante.



Rinaldo saiu do América-MG em 2000, conquistou ainda a Copa Sul-Minas até se transferir para o Atlético-PR no meio daquele ano. Rodou por Atlético-MG, Paraná, até voltou ao América-MG, passando por São Caetano-SP e Guarani de Campinas, até chegar ao Fortaleza em 2004, sob a chancela do técnico que o lançou entre os profissionais, Givanildo de Oliveira. Nomes como o goleiro Magrão que vinha do nosso rival, Zada que era um conhecido volante do futebol carioca, Chicão ex-Remo, Mazinho Lima, Agnaldo experiente atacante e principalmente, Lúcio Bala, a grande história de amizade de Rinaldo no tricolor se juntavam ao elenco que seria campeão cearense e encantaria nas rodadas iniciais da Série B, o suficiente para Rinaldo mesmo jogando apenas 12 partidas, marcar 14 gols, ser artilheiro do clube, ser vital para a gordura que nos levaria as fases finais do nosso inesquecível acesso de 2004. Em 2004, Rinaldo ainda foi artilheiro do país com 35 gols. Mas na época, tanto destaque chamava atenção e o atacante acabou indo pro FC Seoul da Coréia do Sul. 

Em 2005, o Sport Recife contratou a dupla Lúcio Bala e Rinaldo para o Pernambucano, mas para o azar dos rubro-negros, não repetiram o sucesso dos gramados cearenses. Desvalorizados, o presidente tricolor na época, Ribamar Bezerra não perdeu tempo e trouxe ambos para a disputa da Série A, e o resultado todos nós sabemos. Campanha histórica do tricolor, Rinaldo marcou 16 gols e ajudou o Leão a se manter na elite e só não fomos para a Sul-Americana por conta do "tapetão" naquele ano. 

Em 2006, Lúcio foi embora e mesmo com desejo do Santos, Rinaldo ficou. Foi artilheiro do estadual com 19 gols, humilhou o Ceará duas vezes, mas as atuações ruins na final do estadual e a perda do título para o nosso maior rival com ele perdendo pênalti no jogo decisivo fizeram a situação do nosso matador ficar trêmula com a torcida. Na Série A, campanha ruim e rebaixamento, tentaram trazer Lúcio Bala de novo, mas não foi o suficiente, Rinaldo marcou 11 gols, mas atuações irregulares o colocaram até no banco durante a campanha. 

Tudo mudou em 2007, novamente campeão cearense e ainda sendo artilheiro com 14 gols, Rinaldo caiu novamente nas graças da torcida. Na Série B, um Primeiro Turno irregular e o time paquerava com o rebaixamento. Rinaldo acabou indo embora, mas seus 7 gols na competição foram importantes para o time que foi montado beijar a volta para a Série A. No Goiás, não repetiu seu sucesso no Leão, em um ano no Centro-Oeste, nenhum título, poucos gols e o retorno ao Fortaleza no fim de 2008. Passagem rápida, marcou apenas 2 gols e logo se contundiu, viu o trio Zé Eduardo "Love", Osvaldo e Nei Paraíba salvarem o Fortaleza do rebaixamento. No ano seguinte, passagem pelo América de Natal e volta ao Tricolor de Aço em 2010.

Já longe de sua forma de outros anos, Rinaldo não repetiu tanto suas atuações, mas uma particular ficou para sempre na mente dos tricolores. Até os 30 minutos do 2º Tempo, o Fortaleza perdia por 4x1 para o Guarany de Sobral, mas com um gol de Guto e dois do Homem-Raio, o Leão empatou o jogo em 4x4 e levou o título do 1º Turno do estadual nos pênaltis, marco importante para o tetracampeonato. Na Série C, Rinaldo pouco jogou, 3 jogos e nenhum gol, terminaram sua passagem pelo Leão. 


De lá para cá, América-SP, Marília-SP, Guarany de Sobral, Quixadá, Novas Russas e Caiçara-PI foram os clubes por onde ele jogou. Nos últimos dias foi apresentado no Ferroviário-CE para a disputa da Copa Fares Lopes ao lado de outros ídolos do nosso clube como o lateral-direito Amaral, o volante Erandir e o meia Juninho Cearense, Rinaldo completa 40 anos e é dono de algumas das melhores memórias da torcida tricolor. 

Por Luca Laprovitera