AFASTA, AFASTA - Um dia os adversários, hoje a própria torcida ~ Bora Leão
Please enable / Bitte aktiviere JavaScript!
Veuillez activer / Por favor activa el Javascript![ ? ]

quinta-feira, 17 de setembro de 2015

AFASTA, AFASTA - Um dia os adversários, hoje a própria torcida

Postado por Luca Laprovitera às 13:14:00 quinta-feira, 17 de setembro de 2015
Foto: Davi Piancó
E que torcedor, com aquela vontade de fazer raiva ao rival, nunca clamou o famoso “afasta” quando a sua torcida era maior, nas arquibancadas do estádio? Pois é, saudades desta “forma sadia de afastar”.

Acontece que o clamor ainda ecoa, e está sendo atendido nos quatro cantos do Brasil. Mas não da maneira mais desejada.

Você, pai de família e clássico torcedor do bom futebol, se sente à vontade e seguro para levar sua família ao estádio? Você, mãe daquele torcedor fanático, fica em casa tranquila quando seu filho sai pra ver o time do coração jogar? Eu imagino que a resposta para ambas as perguntas seja: “NÃO!!!!!”. Em alto e bom som, convicto!

O que te afasta, torcedor? A perda de gols? Os frangos do atual 4º goleiro do time? Creio que não, pois você, leitor do Bora Leão, é um autêntico torcedor apaixonado, que não se abala por um motivo qualquer.

O que está a nos afastar é a conduta de quem foi criado pra dar um brilho a mais à festa, não é? A banalização das famosas T.O's vai acabar por extingui-las. E, meio a tantas injustiças, algo justo. Tempo pra fazer jus ao nome de “ORGANIZADA” que carregam, tiveram de sobra. Tem como regrar seus membros? Tem. Se não o faz, tem seus motivos, então, que pague por suas omissões. A desculpa de “serem vândalos infiltrados” já não cola mais.

Infelizmente, a Justiça Desportiva colabora com os fatos. Como dito em uma matéria postada ontem, não é justo culpar e punir os clubes, a federação, etc., por crimes cometidos pelos “vândalos infiltrados”. Enquanto permanecerem impunes, permanecerão passíveis de punição!

Fica aqui a torcida pelo retorno dos melhores dias e, consequentemente, o retorno do futebol familiar!

Por Matheus Gifoni