Hora do planejamento ~ Bora Leão
Please enable / Bitte aktiviere JavaScript!
Veuillez activer / Por favor activa el Javascript![ ? ]

terça-feira, 27 de outubro de 2015

Hora do planejamento

Postado por Luca Laprovitera às 20:44:00 terça-feira, 27 de outubro de 2015
Presidente do Fortaleza Jorge Mota em entrevista coletiva
(Foto: Bruno Gomes / Diário do Nordeste)
Para o time profissional do Fortaleza acabou 2015, a diretoria já planeja 2016, observa novos técnicos e jogadores. Enquanto isso, diariamente, atletas vão ao Pici para negociar suas rescisões e renovações de contrato. O goleiro Deola, o lateral-direito Hudson, o lateral-esquerdo Radar, o meia Tiago Azulão e os atacantes Adriano Martins e Ricardo Jesus negociam suas saídas do clube, outro que não deve permanecer é o meio-campista Everton que teria recebido uma grande oferta do mundo árabe. 

Enquanto alguns saem, outros ficam ou sobem. O lateral-direito Felipe Bala foi o primeiro das categorias de base à subir para os profissionais em 2016, os outros atletas do sub-20 irão ser observados durante a Fares Lopes, ou seja, nenhum atleta considerado do time profissional com contrato vigente irá atuar na competição estadual que servirá como preparação para a Copa São Paulo de Futebol Júnior. Os goleiros Erivelton e Max Walef, o zagueiro Max Oliveira, o lateral-esquerdo Bruno, os volantes Corrêa, Dudu Cearense, Felipe e Júnior, os meias Elias, Jean Mota e Laertes, além dos atacantes Maranhão e Uilliam já estão garantidos para o próximo ano. Outros oito atletas interessam a diretoria para renovação. São eles o goleiro Ricardo Berna, o lateral-direito Tinga, os zagueiros Adalberto, Genilson e Lima, e os volantes Auremir, Pio e Vinícius Hess.

O lateral-direito Tinga talvez seja o mais difícil de permanecer. Convocado em Julho para os Jogos Pan-Americanos de Toronto, foi titular da Seleção Brasileira na conquista da medalha de bronze na competição e tem chances reais de jogar na Seleção Sub-23 que irá disputar os Jogos Olímpicos de 2016 no Rio de Janeiro. Tinga pertence ao Grêmio que provavelmente irá jogar a Taça Libertadores na próxima temporada e como o titular da equipe Rafael Galhardo deve voltar ao time de origem, o Santos, Tinga teria chances reais de ser titular na equipe de Roger Machado, estando assim em evidência.

Agora vamos falar do que interessa, planejamento. O presidente Jorge Mota falou hoje no programa "Debate Bola" da TV Diário que não tem pressa em escolher um novo treinador. Admitiu que conversou com Flávio Araújo do Ríver-PI, mas as conversas não tiveram nenhum intuito contratual, já que o técnico da equipe piauiense disse que só falará disso ao fim da disputa de seu time na Série D, estando a um passo da final, depois de vencer o Ypiranga-RS por 2x0 no Albertão, em Teresina, na primeira partida. 

Até lá, tudo permanece um mistério e ninguém foi confirmado de saída ou manutenção até então, seja pela diretoria, assessoria ou o BID que teve como único atividade a inscrição do volante de 18 anos Matheus Rosas com passagens pelas categorias de base de Sport-PE e Atlético-MG que se juntará ao time sub-20 até o fim do ano. Os demais jogadores do elenco profissional continuam em conversações, definindo os pagamentos até o fim do ano, já que com a renda do jogo contra o Brasil e os sócios, o Fortaleza estará com saúde financeira até pelo menos o início do estadual. 

Apesar das críticas de algumas partes de imprensa e torcida, é importante a manutenção de grande parte do time atual. Dizer que esse time tem "a cara do fracasso" é maldoso e irreal, especialmente sendo a base que foi campeã cearense nesse ano. Argumentem que foi na bacia das almas e sofrido, mas ao mesmo tempo só foi assim pela falha de Deola que recolocou o Ceará de volta no jogo e tirou completamente a confiança da equipe naquele momento crucial da partida. As críticas a dupla de defesa formada por Lima e Adalberto são injustas, juntos formam a segunda defesa menos vazada da Série C mesmo depois de eliminados, poucos cartões e gols sofridos, falam que são inseguros nas jogadas por cima e realmente, seis dos quinze gols sofridos saíram de jogadas por cruzamento, sendo uma delas a da vitória do Brasil de Pelotas na partida de ida, mesmo que se analisadas, a maioria não tem culpa da dupla de defesa, como contra o Botafogo-PB onde a falha foi de Ricardo Berna e contra o próprio Brasil onde Radar errou na cobertura. 

Pedir para não ficarem com jogadores como Corrêa porque ele não jogou bem contra Macaé e Brasil de Pelotas é jogar fora todo um trabalho. Nas duas decisões nosso volante esteve sobrecarregado. Contra o Macaé pela ausência de Guto que fazia o combate no meio-campo, tendo que se desdobrar com o buraco feito para aquele jogo e ainda armar o time com a ineficiência de Marcelinho Paraíba. Contra o Brasil, o time foi estudado por Rogério Zimmermann, era notório que a marcação em cima de Corrêa era especial, justamente para evitar a saída de jogo do time que era feita em cima dele, o erro foi justamente em isolar o quarteto ofensivo em Pelotas, quando os meias deveriam ter sido recuados para buscar a bola de trás, acabou que ocorreu o mesmo de muitas vezes na Série C, a zaga foi sobrecarregada porque o setor ofensivo não conseguia ficar com a bola por muito tempo. 

Manter a base, o elenco é importante, Chamusca saiu por falta de clima, dois fracassos seguidos como esse contam, nem ele mesmo aguentava mais. Já mudaremos de filosofia com um novo treinador, mudar demais a base seria perigoso. Sabemos que a maioria dos atletas é de qualidade, é importante ter bons titulares e bons reservas, jogadores do peso e rodagem que tem Lima, Corrêa e Dudu Cearense são importantes em qualquer elenco, manter peças como Adalberto, Auremir, Pio, entre outros é vital para o entrosamento, enquanto outras equipes irão se ajeitar, estaremos mais preparados e quando ele estiverem prontos, será importante já ter um trabalho de versatilidade. O ano de 2015 não acabou como o esperado, o de 2016 é mais uma vez o da esperança, com um planejamento bem feito o acesso deverá acontecer, basta manter o que temos de melhor e o que pode render de melhor, e estudar bem nas peças que virão. 

Por Luca Laprovitera