Como comecei a torcer pelo Leão ~ Bora Leão
Please enable / Bitte aktiviere JavaScript!
Veuillez activer / Por favor activa el Javascript![ ? ]

domingo, 17 de janeiro de 2016

Como comecei a torcer pelo Leão

Postado por Luca Laprovitera às 18:24:00 domingo, 17 de janeiro de 2016
Equipe do Fortaleza de 1997
(Foto: Arquivo Frank Pizzolatto)
Quando criança, na minha turminha, apenas dois garotos torciam Fortaleza, eu sendo um deles. Existia uma guerra entre meus tios sobre qual time eu torceria, pelo lado do meu pai, meu tio Jorge tentava de todas as maneiras me tornar Ceará, pelo lado da minha mãe, meus tios Miguel e Orlando Jr, além do meu avô Orlando me levavam a torcer Fortaleza.

Por influência de um garoto no meu condomínio adotei o Flamengo como time e por ver na TV, também adotei o Corinthians. Em 1997, a dupla Sandro e Frank fizeram não só eu me aproximar mais do Fortaleza, mostraram para mim, um garoto de quase 8 anos que existia respeito em torcer pelo Leão, que eu jamais deveria abaixar minha cabeça, não importasse a fase que ele vivesse. 

Eu vivi nos estádio no fim dos anos 90, depois de sofrer com Vitória de Santo Antão-PE, Viana-MA, Picos-PI, Cori-Sabbá-PI e para mim o mais traumático de todos, Tocantinópolis-TO. Os tempos mudaram, eu ia para PV e Castelão, vi meu time passaram 16 jogos sem perder do rival, vi subirmos duas vezes para a Série A, vi meu time ganhar 8 de 10 estaduais disputados, vi meu time vencer São Paulo campeão mundial, Corinthians campeão brasileiro, golear Vasco, Fluminense, Internacional, vencer o Flamengo em pleno Maracanã, vi garotos das nossas bases vestirem a camisa da Seleção Brasileira, e infelizmente vi meu grande amor, meu time, voltar a Série C.

Eu levei Corinthians e Flamengo comigo até minha adolescência. Foi em 2004, na Copa do Brasil, pelo apito de Antônio Hora Filho no Castelão, que pela primeira vez minha relação com "meus times" do Sudeste tremeu. Ali, por alguns dias, nasceu um ódio pelo Corinthians, um ódio que demoraria um ano até que eu finalmente visse, que aqueles momentos dados aqueles times não era amor, o choro não era verdadeiro, o sentimento infantil, era apenas uma fase e que apenas um clube era dono do meu coração e iria me seguir pelo resto da vida, Fortaleza e eu é como um casamento, entre altos e baixos, na riqueza ou na pobreza, estamos juntos. 

Hoje já são quase onze anos que eu fiz meus votos de ser unicamente Fortaleza, não foram as glórias, nem a Série A, foi um sentimento que aflorou e que mesmo hoje ele só faz crescer e a cada ano que passa eu quero estar cada vez mais ligado, cada vez mais participativo, cada vez mais tentando ajudar esse clube. O Fortaleza não era uma diversão para dizer que eu torço para um time grande, não é hobby e nem passatempo, o Fortaleza é minha religião, meu maior sentimento, é onde eu vario do certo ou errado, é onde mora meu coração. Minha história foi assim, e a sua?

Por Luca Laprovitera
Twitter: @lucalaprovitera