Marcelo Paz: Sua visão, planos, paixão e trabalho no Tricolor de Aço ~ Bora Leão
Please enable / Bitte aktiviere JavaScript!
Veuillez activer / Por favor activa el Javascript![ ? ]

segunda-feira, 9 de maio de 2016

Marcelo Paz: Sua visão, planos, paixão e trabalho no Tricolor de Aço

Postado por Unknown às 12:33:00 segunda-feira, 9 de maio de 2016
 
(Foto: Arquivo pessoal)

Marcelo Paz, 33 anos, é o atual diretor de futebol do Fortaleza Esporte Clube. Já bastante experiente, não chegou ao cargo onde está por acaso. O seu currículo conta que já foi revelador de talentos do time Estação, comentarista da Verdinha, Esporte Interativo, TVC com Milton Bezerra, Copa TV Verdes Mares de Futsal e participou da Confraria Tricolor, a qual apoiou a eleição de Jorge Mota à presidência do clube. Por tudo isso, chegou a ser convidado pelo presidente para ser o diretor de futebol na sua gestão, função onde está a mais de um ano.

Com isso, o diretor concedeu entrevista ao Bora Leão e contou sobre a sua vivência no futebol, críticas, planos do clube, como é feita as contratações, e falou sobre as bases e Série C.

Apaixonado pelo clube e pelo futebol, Marcelo sempre teve o sonho de ajudar o Fortaleza e juntar as suas experiências. "Assim, eu sempre tive vontade de ajudar o Fortaleza, isso é uma coisa minha. Por que? Porque eu sou torcedor do Fortaleza, porque eu sou gestor, sou administrador formado, porque eu sou apaixonado por futebol.", contou o dirigente. 

Críticas ao Marcelo Paz 

Como função de diretor de futebol, Paz tem uma das funções mais visadas na diretoria. Ano passado foi montado um time bastante competitivo, que disputou 50 partidas e perdeu apenas seis. Nesse ano, o elenco vem recebendo algumas críticas, às vezes, muito duras em comparação ao ano passado. Com isso, Marcelo recebeu muitas críticas ao seu âmbito pessoal, mas também profissional. O que o dirigente não acha legal.

- Acho que quando entra no âmbito pessoal perde a minha aceitação. O cara pode me criticar quando falar "Ah, contratou errado. Ah, contratou mal. Ah, contratou fulano." Tudo bem, mas quando entra na questão pessoal, eu não posso achar isso legal [...] Não concordo com a crítica injusta, com a crítica maldosa, mas faz parte. Um clube grande sempre vai ter oposição, sempre vai ter a turma que vai ter o desinteresse. Tem que saber filtrar.- respondeu Marcelo

O ciclo das contratações

No fim do ano passado, a torcida veio criticando muito pela lentidão das contratações de jogadores para a temporada. O dirigente explica o porque ter ocorrido isso e que "às vezes, as pessoas gostam de individualizar as coisas." Além disso, falou que as contratações passam por um ciclo de diversos fatores. 


- As contratações passam pela necessidade de trazer o jogador ou pelo momento. Se você pode trazer o jogador. Não envolve o momento financeiro, envolve o momento de competição, o impacto que vai ter no grupo, também a decisão do treinador de trazer ou não o jogador, o presidente aceitar, o jogador querer vir, o empresário. É tanta coisa envolvida [...] E às vezes a gente demora um pouco mais nesse processo na tentativa de não errar. Você buscar mais informação, de você ter a convicção. Às vezes, acontece o erro. [...] Tem outra coisa também: agir com muito impulso aumenta a probabilidade de erro, de injustiça e onera o clube. - disse o dirigente.

A dificuldade do mercado

Na primeira coletiva após a Série C, Marcelo Paz disse que só iria trazer jogador que fez um bom 2015 na próxima temporada. A primeira foi o Valdir, que que fez um bom Paulistão, depois passou o ano contundido. Trouxe o Anselmo, que teve um ano praticamente regular no Macaé. O Clebinho que era titular, mas passou um bom tempo no banco do CRB, o Leonardo que teve um passagem no XV de Piracicaba, mas no ABC não conseguiu se firmar pelo problema de contusão. Acabou que se formando a promessa do dirigente. Com isso, Paz conta o que houve e quais são as dificuldades do mercado.


- O que a gente quer nem sempre é o que a gente pode. Se o Fortaleza tivesse numa Série B com o mesmo valor que a gente forma um time, a gente formava um time muito melhor, porque tem jogadores que não quer vir pra Série C. Isso é uma dificuldade do mercado. [...] Não adianta trazer um treinador e não dar condição de trabalho que ele pede. Então, Valdir, Leonardo Luiz são jogadores da confiança do Flávio [...] O Valdir já foi embora, infelizmente não deu certo, isso é um fato. [..] Não vou ficar vetando todo jogador que o treinador indicou, não pode. [...] Nem sempre o que se quer é o que se tem. No período de final de ano é mais difícil ainda, pois no final de ano o Fortaleza não tinha receita, e às vezes o jogador só quer vir com o dinheiro na mão. Eu volto a dizer: o ideal é que se traga jogadores que tenha tido um histórico recente de qualidade - esclareceu o dirigente.

Categorias de bases
As categorias de bases do Fortaleza são muito importante para o futebol cearense. Se montar uma seleção cearense nos últimos 15 anos, só vai aparecer jogadores revelados pelo clube. Porém, nos últimos dois anos, garotos que subiram para o profissional não vêm mostrando bons resultados. Também a situação do Centro de Treinamento vem sendo muito criticada. Com isso, Marcelo explica as necessidades das categorias de bases e o que precisa ser mudado. 

- Necessidade da categoria de base é fundamental. Nunca o Fortaleza vai ter a cota de TV do Corinthians, do Flamengo, do São Paulo... Então a gente tem que se igualar em outras coisas em termo de estrutura. Não de espaço físico, mas de material, se você tem tudo ali no Pici 'redondinho', você tem estrutura que dar pra brigar com os caras, e categoria de base. Mas o que é que falta? Dinheiro. Enquanto você não tiver dinheiro, você não tem uma categoria de base forte. Às vezes, não tem até para o profissional [...] É difícil a a manutenção do futebol profissional em termo financeiro, consequentemente não sobra pra base o que deveria sobrar. O que tem é pouco, mas tem recurso. Isso dificulta para a base. O ideal é que se espalhasse o que tem no profissional, ter na base [...] Isso dificulta a revelação de jogadores - explicou Marcelo Paz.

Estrutura do clube
A estrutura no Alcides Santos precisa passar por algumas reformas, principalmente o gramado. Como tese, não daria para colocar outro campo no Pici. Para crescer profissionalmente, o Fortaleza precisa dar um 'up' na sua estrutura. Marcelo Paz fala da sua visão sobre isso e as necessidades do Alcides Santos.

- O ideal é que tivesse mais espaço de treinamento, termos ideais com toda certeza. Já que não tem, a gente tem que conservar o máximo o gramado do Pici. Outras estruturas do Alcides Santos são boas: O dormitório é bom, o alojamento, a cozinha melhorou muito, a sala de imprensa relativamente boa, os vestiários são bons. Os jogadores que veio de fora tiverem passagens por grandes clubes e eles não reclamam da estrutura, reclamam um pouco do campo.- respondeu o dirigente.
Marcelo conta os planos de estrutura e como é o processo de arrecadação de renda para fornecer as melhores condições para o clube

- Eu, como diretor de futebol, ao final desse ano, quero deixar um legado estrutural em termo de equipamento. Já foram comprados muitos equipamentos em termo dessa gestão. Peço para um, peço para outro, quando o clube ganha, a mão fica mais aberta (risos). Eu quero chegar ao final do ano e apresentar 30 ou 20 equipamentos que nós compramos -  ressaltou o ex-comentarista de futebol. 

A captação dos jogadores: como funciona?

Muitos torcedores são curiosos em saber de como funciona a captação de jogadores para a temporada ou para um campeonato. Marcelo explicou tudo para o Bora Leão.

- Existe a captação em que os empresários oferecem jogadores para gente. Hoje, muita gente do Brasil inteiro tem o meu telefone, porque um passa para o outro. Não sou eu que vou atrás. Eles ficam oferecendo o jogador pelo Whatsapp e a gente vai filtrando. De cem a gente se interessa por dois, três. Esse é o primeiro filtro. [..] Existe a captação ativa nossa, através do departamento de captação, que é o Leandro, que vai assistindo jogo e fazendo relatório. Existe a indicação do treinador, do momento [...] A gente faz a avaliação geral. Não é porque o Marquinhos indicou te, que vir. Vai avaliar, vai passar por mim, o Henrique (analista de desempenho), o Leandro, o presidente Jorge sempre dá opinião. Então, é um ciclo.", explicou Marcelo

- Um exemplo disso é quando indicam que um jogador está fazendo um bom Gauchão e o clube pede para o Leandro assistir e analisar o desempenho do mesmo no jogo - conta o dirigente. 

Série C

Marcelo conta sobre o regulamento da competição e as contratações para esta temporada

- As contratações que a gente vai buscar fazer para o resto ano, não vou dizer todas, porque tem aquelas que fogem a regra, mas a maioria vão ser jogadores que tiveram um primeiro semestre bom [...] Eu já falei abertamente sobre isso: zagueiro,a gente só tem quatro zagueiro, precisamos de mais um, porque são cinco. Lateral-direito, vamos trazer mais um, o Valdir foi liberado, vamos trazer mais um lateral. Queremos trazer mais um camisa 9 pra tá ali na briga com o Anselmo, que surpreendeu muita gente. Talvez um meia-atacante com a característica diferente que a gente tá buscando. - falou o dirigente sobre as contratações.

- Não consigo entender sobre o regulamento da Série C. É um absurdo. Não é porque o Fortaleza chega lá e perde na decisão não. É porque o Brasil inteiro diz que está errado: jogador, treinador,
radialista [...] - deu a sua opinião o ex-comentarista de futebol.


Recado para a torcida

- Não vai faltar trabalho, não vai faltar dedicação, para que a gente possa conseguir os objetivos do ano. Não vou falar se é subir ou não, porque esse é o principal objetivo. Pra mim em todas as competições o torcedor quer ganhar. Eu acho que a gente evoluiu muito quanto profissional, gestão e clube. Eu me sinto hoje mais preparado pra lidar com as críticas e com as injustiças, mas acredito demais que no final do ano a gente vai ser coroado. Eu vou me dedicar ao máximo, um objetivo de vida meu mesmo. Tô abrindo mão de muita coisa na minha vida pra poder me dedicar ao Fortaleza e faço isso com maior prazer, eu quero deixar esse legado no time e o torcedor saber disso. A gente pode até errar, faz parte. Mas nunca vai errar por se omitir, porque quer ou porque tá descompromissado, mas sempre na tentativa de acertar. Eu volto a dizer, eu gosto de dizer isso, não gosto muito de dizer não, porque parece a muito autoelogio: Tudo que eu busquei na minha vida acabou dando certo, no Fortaleza não vai ser diferente e no final vai tá todo mundo gritando, comemorando, os que cornetaram, os que criticaram e a maioria absurda que acreditou, apoiou, mesmo não tendo acreditado desconfiando, mas sem ser aquela crítica mais pesada. No final vai tá todo mundo feliz. Isso é que o vale. - Marcelo Paz dá o recado para a torcida