Sete anos de Série C em 50 linhas. ~ Bora Leão
Please enable / Bitte aktiviere JavaScript!
Veuillez activer / Por favor activa el Javascript![ ? ]

segunda-feira, 12 de setembro de 2016

Sete anos de Série C em 50 linhas.

Postado por Unknown às 20:04:00 segunda-feira, 12 de setembro de 2016

     Chegamos a mais um mata-mata. Estou escrevendo essa postagem no dia 12/09/16, às 19h. Ainda não sei quem será o nosso adversário, se vamos decidir em casa ou decidir fora, se passaremos em primeiro, segundo ou terceiro... Nada disso, eu sei. A única coisa que eu sei, aliás, que nós sabemos, é que não sei se dá para aguentar mais um ano de Série C 
    
    
   Se bem que eu, e vários outros torcedores, repetiram essa frase em quando perdemos para o Macaé, por exemplo. Ao pensar na Série C, eu penso no ano que o clube caiu. Eu nem tive a oportunidade de assistir; fiquei sabendo a cada bolinha que aparecia na tela da TV Verde Mares. Pois é. Para quem não lembra, naquele dia, o jogo do Ceará passara na TV, e pior, eles estavam conquistando um acesso para a Série A. Aquela foi a primeira de muitas decepções. Coitado de nós torcedores, nem imaginávamos que haveriam outras decepções mais traumáticas. Veio o primeiro ano de Série C. Era um campeonato estranho para nós. Eu não sabia quais times jogavam aquele campeonato, como era a fórmula de disputa... Eu só queria que o Fortaleza subisse. Ganhamos uma partida e empatamos o restante. Não passamos nem da primeira fase.


   No ano seguinte, em 2011, a esperança estava renovada. Subiríamos fácil. Pois é, assim eu pensava. Talvez, em uma de suas piores humilhações na história do futebol, o Fortaleza conseguiu se safar do rebaixamento para a 4º divisão num jogo muito polêmico. Veio 2012. O técnico era o Nedo Xavier, que conseguiu fazer um bom campeonato Cearense. Depois de um jogo contra o Luverdense, o Nedo era demitido e chegava um técnico desconhecido, um tal de Vica. Com ele, passamos mais de 15 jogos de invencibilidade. Chegávamos à nossa primeira decisão. O jogo era contra o Oeste. Lembro-me bem daquele dia. Eu tinha 17 anos. O ENEM ia ser no mesmo dia do primeiro jogo da decisão. Fiz a prova com uma certa “ligeireza” e consegui chegar a tempo de assistir. O jogo terminara em 1 a 1. Ótimo resultado. Bastava um empate no PV, que o Fortaleza iria voltar à Série B. O sentimento era de vitória, afinal, o clube era imbatível jogando em casa. Perdemos. Eis a nossa primeira decepção em mata-matas. Vica saiu. 


   Veio 2013. Esse ano é mais “fácil” de se contar, pois não chegamos até a fase final. Nos minutos finais, o Sampaio Corrêa fazia o gol de empate que tirava o Leão da liderança e o colocava em 5º. Mais um ano de Série C. Em 2014, chega um técnico promissor chamado Marcelo Chamusca. A confiança voltava com ele. Era um técnico que tinha batido na trave no Cearense. Dizia-se que nós conseguíamos jogar de igual com o nosso rival e jogava mesmo. Conseguimos nos manter em primeiro na fase de grupo. O adversário da vez seria o Macaé. Eu não conhecia o Macaé. Um time do Rio de Janeiro, que não tinha muita expressão. O primeiro jogo foi lá. Terminou de 0 a 0. Há quem diga que o Chamusca foi “medroso”. Dava pra ter ganho do Macaé lá. Enfim, o técnico estava confiando no acesso jogando num Castelão lotado. Teve mosaico, fumaça, torcida animada. Nada faltava. Faltou. Faltou “sorte” do goleiro Ricardo ao furar numa defesa fácil. Gol do Macaé. Teve pressão até o final. Gol de Waldison. Ainda seria possível reagir? Não foi possível. Mais um ano. Meu DEUS! Já se somavam 6 anos nesse Inferno chamado Série C. 


   Chega 2015. Chamusca deixa o Fortaleza. Chamusca volta ao Fortaleza. Era quase um dívida. Para ambos. O Chamusca devia isso ao Fortaleza, e o Fortaleza devia isso ao Chamusca. A regra era clara: NÃO VAMOS REPETIR OS MESMO ERROS! Faltava um algo mais; algo que emplacasse e desse força ao time nessa jornada. Um título. Aos 47 minutos, ele veio. Cassiano na hora certa, no lugar certo. Euforia. A história estava por se repetir. Nos classificamos em primeiro e iríamos pegar o Brasil de Pelotas. Primeiro jogo lá. Perdemos por 1 a 0. E agora? “Sem mosaico. O mosaico dá azar”. Pois bem, não conseguimos fazer um gol sequer no Brasil. A culpa não era do mosaico. Como suportar mais um ano de Série C? O sétimo já! 


   O ano de 2016 começou, mas ainda não terminou e nem sei como vai terminar. A história, o tempo, passa muito rápido. Lembra de 2012? Eu estava fazendo o ENEM. Pois bem, já cursei a faculdade, larguei, entrei em outra e o Fortaleza ainda está na Série C. Não consigo pensar em outra coisa, senão o acesso. O oitavo ano não deve vir. Algo me diz que não vem. Termino esse texto às 19:33h; sem saber como a história irá se proceder. 2016 irá terminar no dia 09/10. E depois desse dia, irá começar o 1B. Eu creio. E eu vou estar lá!