[ESPECIAL] Jogadores do Fortaleza relembram acesso à Série A 15 anos depois ~ Bora Leão
Please enable / Bitte aktiviere JavaScript!
Veuillez activer / Por favor activa el Javascript![ ? ]

sábado, 25 de novembro de 2017

[ESPECIAL] Jogadores do Fortaleza relembram acesso à Série A 15 anos depois

Postado por Ricatdo Tavares jor90 às 23:18:00 sábado, 25 de novembro de 2017



Era uma quarta-feira à noite. Um blecaute atingiu parte da cidade. Especialistas não confirmam, mas com certeza toda a energia estava no estádio Presidente Vargas.

O dia 26 de novembro de 2002 ficará marcado para sempre na memória do torcedor do Fortaleza. Naquele dia, há 15 anos atrás, o tricolor garantia o acesso para disputar a elite do futebol nacional após uma década.

E foi, de fato, uma campanha memorável. O time que não tinha conquistado o tricampeonato estadual, entrou na Série B com a desconfiança do torcedor. Mas, no decorrer da campanha, aquela equipe demonstrava que entraria para a história do leão.

Foram jogos inesquecíveis. Goleadas, viradas e muita emoção. O Fortaleza terminou a competição com o melhor ataque. O PV era um verdadeiro caldeirão, e lá, local onde o Fortaleza conquistou o acesso, o time comandado pelo técnico Luiz Carlos Cruz não perdeu nenhuma vez.

A escalação, o torcedor sabia de cor. Do goleiro ao centroavante, os nomes de todos os heróis daquele feito eram entoados na arquibancada.

Jefferson, Chiquinho, Angelim, Marcão, Sérgio; Dude, Erandir, Kel, Juninho Cearense,  Clodoaldo e Vinicius. No banco de reservas, jogadores que também foram importantes, como Finazzi, Mazinho Loyola e Alysson.

Uma equipe genuinamente cearense. Do time titular, seis atletas que nasceram no estado, vestiram e honraram o manto vermelho, azul e branco.

 Nas semifinal, o Fortaleza enfrentou o Etti Jundiaí/SP, disputando  vaga na semifinal do campeonato e um acesso para a Série A de 2003. Na primeira partida, uma apresentação espetacular de Clodoaldo deixou o Fortaleza com uma mão na classificação. Vinicius, Kel e Juninho Cearense completaram o massacre. Etti Jundiaí 1x6 Fortaleza.

No jogo de volta, um Presidente Vargas lotado esperava por mais um show do tricolor. É, mas não foi o que aconteceu. Tailson, aos 34 e Calil aos 43, fizeram o tricolor de aço ir para o vestiário com o placar adverso de 2x0. Apesar da boa vantagem conquistada em São Paulo, a torcida estava apreensiva para que o clube garantisse o acesso.

No segundo tempo, o time de Luis Carlos Cruz se recuperou. Aos 11 minutos, após um cruzamento que veio do lado direito, Clodoaldo empurrou a bola para o gol e diminuiu para o Fortaleza. Pouco tempo depois, aos 16, o gol do alívio. Em cobrança de pênalti convertida por Vinicius, artilheiro da Série B com 22 gols, o leão empatou a partida e finalmente a nação tricolor pôde comemorar o tão sonhado acesso.

Para comemorar a data especial, o Bora Leão conversou com três jogadores que marcaram aquela campanha. Erandir, Kel e Juninho Cearense discorreram sobre o sentimento de ter conquistado o acesso pelo leão e algumas curiosidades do grupo.




ERANDIR

UNIÃO DO GRUPO

"O nosso grupo começou desacreditado. No início afastaram o Clodoaldo, um dos grandes nomes daquela conquista. Depois disso o time se uniu. E aí começamos a conquistar as primeiras vitórias. A gente olhava pro lado e via é que a maioria dos jogadores eram cearenses. A nossa amizade cresceu muito"

"Uma prova de que nosso time tava unido foi quando conquistamos o acesso e todos os jogadores pintaram o cabelo"

CURIOSIDADE

 "Um fato curioso foi quando o Finazzi se contundiu no primeiro jogo da semifinal contra o Jundiaí. O Clodoaldo entrou e fez três gols. No ano seguinte, estávamos brigando pela classificação em um campeonato. Quem sofreu o pênalti foi o Ronaldo Angelim. O Finazzi perdeu o pênalti. No vestiário, o Finazzi falou para o Angelim: "É Angelim, ainda bem que você sofreu o pênalti, por que se não você iria perder o gol". Ai o Angelim Roberto: "Ainda bem que você se contudiu no ano passado, se não o Clodoaldo não teria feito os três gols contra o Jundiaí"

O CLIMA NA CONCENTRAÇÃO

 "A concentração era um lugar muito tranquilo, agradável. A gente jogava baralho, dominó, sinuca, e sempre rolava uma competição que o presidente Jorge Mota fazia"

O SENTIMENTO DE CONQUISTAR UM ACESSO COM O FORTALEZA

"Subir com o Fortaleza não teve coisas melhor. Foi gratificante para nossa carreira, para nossa história"

A VOLTA DE SÃO PAULO

"A alegria dentro do avião era grande, não conseguíamos nem dormir. A gente sabia que ia encontrar o aeroporto lotado. De lá o grupo foi direito para um restaurante e depois para  a concentração, pois sabíamos que o jogo de volta seria difícil"

JUNINHO CEARENSE

O SENTIMENTO DE CONQUISTAR O ACESSO COM O FORTALEZA

"Foi um grande prazer fazer parte daquele elenco. Sei que sou novo, não conheço tanto a história do clube, mas foi um dos melhores times do Fortaleza que eu já vi"

UNIÃO DO GRUPO

"Eram atletas, em sua maioria, nordestinos. Colocamos o coração na ponta da chuteira. Naquela época, a remuneração não era muito boa, mas recebíamos em dia. Foi uma campanha memorável"

QUALIDADE DO ELENCO


" O nosso grupo era muito bom. Sempre que precisava do banco de reservas, eles tomavam conta da posição. Sabíamos que o outros clubes tinham uma estrutura melhor, mas nós colocamos tudo a nosso favor. A desconfiança, a vontade de colocar um time nordestino na primeira divisão"

KEL

JOGO DE IDA CONTRA O JUNDIAÍ

"Quando a gente ia jogar contra o Jundiaí,  do aeroporto para Jundiaí, ia eu e Carlinhos. Aí eu dei um cochilo e pouco depois acordei, e disse: " Carlinhos, sonhei que agente ganhava  de 3x2 e  o terceiro gol era meu". Na verdade foi mais, foi 6 x 1"

A VOLTA DE SÃO PAULO


"A volta foi só alegria com o Salvino contando suas histórias
Ele disse: "Vocês vão ver o reboliço que vai está
lá no aeroporto". 

RECEPÇÃO DA TORCIDA

"Eu não esperava tanta gente, mas foi demais. Só quem vive, para descrever a emoção. Ainda me emociono quando vejo o vídeo a torcida lá. Melhor fase da vida foi lá no fortaleza 
Queria ter voltado jogar lá, mas infelizmente não foi possível.  Ficamos marcados. O time era unido e de muita qualidade"