Especial: Mulheres que fazem o Fortaleza Esporte Clube ~ Bora Leão
Please enable / Bitte aktiviere JavaScript!
Veuillez activer / Por favor activa el Javascript![ ? ]

quinta-feira, 8 de março de 2018

Especial: Mulheres que fazem o Fortaleza Esporte Clube

Postado por Paulo Rodrigo às 11:21:00 quinta-feira, 8 de março de 2018
Foto: Fábio Lima
Hoje, mais do que nunca (afinal, todo dia é delas), é dia da mulher. Elas, que já venceram tantas batalhas na busca por espaço em todas as esferas da vida. E que mesmo com tantas conquistas, ainda precisam ouvir que "mulher não entende de futebol", "estádio não é lugar pra mulher" e outros vários absurdos, que por mais difíceis que sejam de engolir, não as esmorece. Para acabar de vez com o assunto, vamos falar um pouco de algumas delas:

Toinha - a mãe de todo Tricolor

São nada menos que 46 anos dedicados ao clube. Uma das figuras viventes mais antigas do Fortaleza, e que com certeza já garantiu seu lugar na história. Hoje, auxiliar de Nutrição, Antônia Porfírio Lima faz mais do que o controle alimentar dos atletas. Ela dá amor, puxa a orelha quando necessário, se emociona e torce como ninguém por mais conquistas. Sua declaração mais recente? Viajar por dias (ida e volta) para Juiz de Fora. A ocasião você lembra: o jogo do acesso. Um trajeto longo, percorrido de ônibus.

Para uma mulher de 74 anos, a viagem já era desgastante o suficiente. Mas Toinha foi além disso. Após o acesso, fez questão de pagar uma promessa que já durava anos: percorrer boa parte do campo de joelhos. Ela simplesmente tirou forças de onde não tinha, para representar uma nação e expressar seu amor pelo Fortaleza Esporte Clube.

Leoninas - beleza pra quem vê, apoio pra quem sente

São quase oito anos de apoio incondicional. Criadas no mês da mulher, mais precisamente em 28 de março de 2010, elas são responsáveis por representar a torcida de forma ainda mais próxima e, claro, incentivar o Fortaleza durante os 90 minutos. Mas engana-se quem pensa que o trabalho delas se resume ao que costumamos ver. Fora do estádio, ensaiam "sem demonstrar cansaço", abrem mão de outras atividades e até mesmo de estar na arquibancada com seus familiares, amigos, namorados etc.

Admita: por mais torcedor que você seja, nem sempre é possível estar lá. Às vezes a equipe vai mal e você simplesmente não vai. Para elas, nada disso é empecilho. Ir aos jogos é um compromisso. Um dever. 

Handebol feminino - nossas representantes das quadras

O Fortaleza já esteve bem representado em outras quatro linhas, mas das quadras. A equipe de handebol feminino do Tricolor, fruto de uma parceria com o IFCE, já foi tetra campeã estadual, bicampeã do Nordeste e já representou as cores do Fortaleza em competições de nível nacional. É fato que ainda precisamos de incentivos para outras modalidades, nos mais variados gêneros. Mas conta aí, fomos ou não bem representados?

Por fim, não podemos esquecer das mulheres que nos apoiam das arquibancadas. Não é porque elas dão um toque de beleza, pois isso é só mais um fato. Mas pela sua voz, que ecoa como qualquer outra; seu choro, que emociona como qualquer outro; e sua alegria, que contagia como qualquer outra. Sem mais nem menos. Parabéns, mulheres!